Sessão na CCJ termina sem votar relatório que pede cassação de Jardel

Sessão na CCJ termina sem votar relatório que pede cassação de Jardel | Foto: Marcelo Bertani / Agência ALRS / CP Memória

A Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Assembleia Legislativa encerrou a sessão, nesta quinta-feira, sem votar o relatório que defende a cassação do deputado Mario Jardel (PSD). O encontro ocorreu das 13h às 14h. Com licença médica, Jardel segue afastado do Parlamento em função de um quadro de depressão. Nessa quarta-feira, porém, o ex-atleta gremista participou de um jogo festivo na terra natal dele, Fortaleza.
Hoje, na CCJ, o deputado Jéferson Fernandes (PT) chegou a sugeriu a renúncia do presidente da Comissão, Vilmar Zanchin (PMDB). Para o petista, Zanchin tenta uma suposta manobra ao dar celeridade à cassação de Jardel com o objetivo de nomear o suplente e garantir, com isso, apoio ao governo para aprovar o pacote de ajuste fiscal, encaminhado pelo governador. Zanchin rebateu o petista. Ele afirmou que o encontro só foi adiantado para que o processo de cassação seja votado ainda em 2016. As reuniões da CCJ ocorrem sempre às terças-feiras, a última delas no dia 20.
Além das discussões, a reunião também terminou sem desfecho, devido ao início da sessão plenária no Parlamento. Com recesso marcado para o próximo dia 22, Zanchin adverte que, se o relatório não for votado na CCJ, as discussões sobre o tema só poderão ser retomadas em fevereiro de 2017. São necessários sete votos dos 12 membros da comissão para que o processo avance até o plenário. Ainda durante reunião, a defesa do parlamentar, representada pelo advogado Rogério Bassotto, voltou a solicitar a suspensão do processo em função das condições clínicas do deputado.
Integrante da CCJ, deputada Manuela d’Ávila (PCdoB) sugeriu que durante a sessão plenária de hoje, os líderes de bancada entrem em acordo em torno da votação do processo de cassação de Jardel. Para isso, a base governista deve garantir que o texto referente ao afastamento definitivo dele seja votado, em plenário, só depois do pacote de austeridade encaminhado pelo Executivo.(Rádio Guaiba)
Share on Google Plus

About Valéria Reis

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário