Despesas de senadores em gabinetes dobra para R$ 4,8 mi em 2 anos

Apesar do discurso do presidente Michel Temer, de que iria "cortar na própria carne", para justificar as medidas de contenção de gastos anunciadas pelo governo, as despesas dos senadores em seus gabinetes dobraram, passando de R$ 2,4 milhões, em 2014, para R$ 4,8 milhões, em 2016, de acordo com levantamento feito pelo próprio Senado.

Com o valor gasto a mais, daria para construir quatro escolas com boas instalações ou remunerar por um ano 60 professores com o piso da categoria. 
De acordo com informações da Folha de S. Paulo, com a rubrica "gastos extras", o Senado custeia o consumo em Brasília de combustível, material de limpeza, papelaria, alimentação, Correios e as viagens oficiais, autorizadas pela Casa.
Essas despesas não estão incluídas na cota parlamentar a que cada senador tem direito, em geral usada em seu Estado de origem, destinada a arcar com todo tipo de atividade do senador em seu Estado, como viagens de ida e volta de Brasília à base eleitoral, aluguel de escritório, alimentação e segurança privada.
"Não sinto um clima de redução de gastos em nada no Brasil. Não é só coisa de parlamentar. Existe a ideia de que o que é do Estado não é público", disse o senador Cristovam Buarque (PPS-DF).
A assessoria de imprensa do Senado afirmou que vem tomando medidas para diminuir seus gastos em momento de recessão econômica.
"Ao longo dos últimos quatro anos, o Senado Federal tem empreendido uma ampla reforma, com impacto orçamentário importante nos próximos anos, para economizar recursos e racionalizar a estrutura da Casa", disse a assessoria, em nota. (Folha S. Paulo) (NM) Foto: Agência Senado
Share on Google Plus

About Valéria Reis

    Blogger Comment
    Facebook Comment

0 comentários:

Postar um comentário